Para Ortodontistas


Sobre o BBO


Público em Geral



EXAME da FASE II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Existe grande preocupação do BBO com o decoro na análise dos casos clínicos apresentados na Fase II. Por esse motivo, a avaliação é feita sem que os examinadores tenham conhecimento dos autores dos mesmos. Esta é a razão pela qual as radiografias devem ter os dados de identificação encobertos por tarjas em preto ou branco. Este protocolo visa a imparcialidade no processo de avaliação.

Os critérios de avaliação são divididos em cinco itens:

1 - DOCUMENTAÇÃO

São considerados na avaliação da documentação as fotografias, modelos, radiografias, traçados e sobreposições cefalométricas e a apresentação da pasta. Representa 15% do valor da nota final.

2 - ÍNDICE DO GRAU DE COMPLEXIDADE (IGC)

A complexidade da maloclusão é considerada para a avaliação do tratamento do caso. Representa 10% do valor da nota final.

3 - DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO

Uma boa compreensão do diagnóstico, planejamento do tratamento e mecânica utilizada são muito importantes na avaliação do caso clínico. A descrição deve ser clara, lógica, concatenada e sucinta. As decisões que definem as estratégias de tratamento devem ser coerentes e adequadamente explicitadas. Representa 27% do valor da nota final.

4 - RESULTADO DO TRATAMENTO

A qualidade do resultado final obtido na execução dos tratamentos ortodônticos é importante na avaliação dos casos clínicos. Os parâmetros de qualidade estão diretamente relacionados à estética facial e dentária, eficácia do tratamento e estabilidade, e que estão amplamente descritos na literatura. Representa 18% do valor da nota final.

5 - SISTEMA OBJETIVO DE AVALIAÇÃO (SOA)

Complementando a avaliação do resultado do tratamento, a análise dos modelos de gesso e radiografias dentárias obtidos ao final do tratamento é feita com base em uma sistemática de avaliação com medições padronizadas, quando é utilizada a Régua de Medição. Este sistema, descrito e validado pelo American Board of Orthodontics, elimina subjetividades na avaliação dos casos apresentados.

Esse sistema também pode ser útil ao candidato quando da seleção dos casos clínicos, para verificação da qualidade da finalização dos mesmos.

São considerados, neste ítem, os quesitos alinhamento, nivelamento das cristas marginais, inclinações vestíbulo-linguais, sobressaliência, contatos oclusais, relação oclusal anteroposterior, contatos interproximais e angulações radiculares. No uso do SOA, há perda de pontos para cada ítem fora dos padrões ideais. Representa 30% do valor da nota final.

Visualizar ficha do SOA, com descontos de pontos por item avaliado

O caso clínico não será aceito quando:

  • A documentação não estiver completa, como determina o Regulamento de Certificação.
  • No SOA, a soma dos pontos perdidos for igual ou superior a 30.
  • Obtiver nota final, na soma de todos os ítens supracitados, menor que 70 pontos.

© 2014 - Todos os direitos reservados - BBO